Protocolo de Quioto: o texto completo e completo

Aqui está o texto completo do Protocolo de Kyoto.

Palavras-chave: protocolo de kyoto, texto, total, nível de emissão, CO2

PROTOCOLO DE QUIOTO À CONVENÇÃO DO QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

As partes no presente protocolo,

Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (doravante denominada "Convenção"),

Ansioso para alcançar o objetivo final da Convenção, conforme estabelecido no seu artigo 2,

Recordando as disposições da Convenção,

Orientado pelo Artigo 3 da Convenção,

Atuando sob o mandato de Berlim adotado pela Conferência das Partes da Convenção em sua primeira sessão na decisão 1 / CP.1,

Concordaram com o seguinte:

Artigo primeiro

Para os fins deste Protocolo, são aplicáveis ​​as definições estabelecidas no artigo XNUMX da Convenção. Além do que, além do mais :

1. “Conferência das Partes” significa a Conferência das Partes da Convenção.

2. “Convenção” significa a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, adotada em Nova York em 9 de maio de 1992.

3. "Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas" significa o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas estabelecido conjuntamente pela Organização Meteorológica Mundial e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente em 1988. .

4. “Protocolo de Montreal” significa o Protocolo de Montreal de 1987 sobre Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio, adotado em Montreal em 16 de setembro de 1987, conforme posteriormente adaptado e alterado.

5. “Partes presentes e votantes” significa as Partes presentes que deram um voto afirmativo ou negativo.

6. "Parte" significa, a menos que o contexto indique o contrário, uma Parte deste Protocolo.

7. "Parte referida no Anexo I" significa qualquer Parte listada no Anexo I da Convenção, levando em consideração quaisquer modificações que possam ser feitas a esse anexo, ou qualquer Parte que tenha feito uma notificação de acordo com Artigo 2, parágrafo 4 (g), da Convenção.

Artigo 2

1. Cada uma das Partes incluídas no Anexo I, para cumprir seus compromissos quantificados em termos de limitação e redução previstos no Artigo 3, a fim de promover o desenvolvimento sustentável:

a) Aplicar e / ou desenvolver políticas e medidas, dependendo da situação nacional, por exemplo, o seguinte:

(i) Aumento da eficiência energética em setores relevantes da economia nacional;

ii) Proteção e melhoria de sumidouros e reservatórios de gases de efeito estufa não regulamentados pelo Protocolo de Montreal, levando em consideração seus compromissos sob os acordos ambientais internacionais relevantes; promoção de métodos sustentáveis ​​de manejo florestal, florestamento e reflorestamento;

iii) Promoção de formas sustentáveis ​​de agricultura levando em consideração considerações sobre mudanças climáticas;

(iv) Pesquisa, promoção, desenvolvimento e maior uso de fontes renováveis ​​de energia, tecnologias de sequestro de dióxido de carbono e tecnologias ambientalmente saudáveis ​​e inovadoras;

v) Redução gradual ou eliminação gradual de imperfeições de mercado, incentivos fiscais, isenções fiscais e tributárias e subsídios que vão contra o objetivo da Convenção, em todos os setores emissores de gases de efeito estufa estufa e aplicação de instrumentos de mercado;

(vi) Encorajar reformas apropriadas nos setores relevantes, com vistas a promover políticas e medidas que tenham o efeito de limitar ou reduzir as emissões de gases de efeito estufa que não sejam regulamentadas pelo Protocolo de Montreal;

vii) Adoção de medidas para limitar ou reduzir as emissões de gases de efeito estufa não regulamentadas pelo Protocolo de Montreal no setor de transportes;

viii) Limitação e / ou redução das emissões de metano por meio da recuperação e uso no setor de gerenciamento de resíduos, bem como na produção, transporte e distribuição de energia;

(b) Cooperar com outras Partes Cobertas para melhorar a eficácia individual e geral das políticas e medidas adotadas nos termos deste artigo, de acordo com o subparágrafo (i) do subparágrafo (e) do parágrafo 2 do artigo 4 do Convenção. Para esse fim, essas Partes devem tomar medidas para compartilhar os frutos de suas experiências e trocar informações sobre essas políticas e medidas, em particular desenvolvendo meios para melhorar sua comparabilidade, transparência e eficiência. Em sua primeira sessão ou tão logo possa depois disso, a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve considerar meios de facilitar essa cooperação, levando em consideração todas as informações relevantes.

2. As Partes incluídas no Anexo I buscam limitar ou reduzir as emissões de gases de efeito estufa não reguladas pelo Protocolo de Montreal de combustíveis de combustível usados ​​no transporte aéreo e marítimo, por meio a Organização da Aviação Civil Internacional e a Organização Marítima Internacional, respectivamente.

3. As Partes incluídas no Anexo I envidarão esforços para aplicar as políticas e medidas previstas neste artigo de forma a minimizar os efeitos negativos, em particular os efeitos adversos das mudanças climáticas, as repercussões no comércio internacional e as consequências sociais, ambientais e econômicas para outras Partes, especialmente as Partes países em desenvolvimento e mais particularmente aquelas designadas nos parágrafos 8 e 9 do artigo 4 da Convenção, levando em consideração o artigo 3 da mesma. esta. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo pode tomar outras medidas, conforme apropriado, para facilitar a implementação das disposições deste parágrafo.

4. Se decidir que seria útil coordenar algumas das políticas e medidas referidas no parágrafo 1 (a) acima, levando em consideração diferentes situações nacionais e efeitos potenciais, a Conferência das Partes atuando como uma reunião das Partes deste Protocolo devem estudar as modalidades apropriadas para organizar a coordenação dessas políticas e medidas.

Artigo 3

1. As Partes incluídas no Anexo I devem, individualmente ou em conjunto, garantir que suas emissões antrópicas agregadas, expressas em dióxido de carbono equivalente, dos gases de efeito estufa listados no Anexo A não excedam os valores que São-lhes atribuídos, calculados de acordo com os seus compromissos quantificados em termos de limitação e redução das emissões elencadas no Anexo B e de acordo com o disposto neste artigo, com vista a reduzir em, pelo menos, o total das suas emissões desses gases 5% do nível de 1990 durante o período de compromisso de 2008-2012.

2. Cada Parte incluída no Anexo I deve ter feito progresso em 2005 no cumprimento de seus compromissos sob este Protocolo que pode demonstrar.

3. As variações líquidas nas emissões de gases de efeito estufa por fontes e absorção por sumidouros resultantes de atividades humanas diretamente relacionadas à mudança de uso da terra e silvicultura e limitadas a florestamento, reflorestamento e desmatamento desde 1990, variações que correspondem a variações verificáveis ​​nos estoques de carbono durante cada período de compromisso, são usadas pelas Partes incluídas no Anexo I para cumprir seus compromissos sob este artigo. As emissões de gases com efeito de estufa por fontes e remoções por sumidouros associadas a essas atividades devem ser comunicadas de forma transparente e verificável e revistas em conformidade com os artigos 7.º e 8.º.

4. Antes da primeira sessão da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo, cada Parte incluída no Anexo I fornecerá ao Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico, para sua consideração, dados para determinar o nível de seus estoques de carbono em 1990 e para estimar as mudanças em seus estoques de carbono nos anos seguintes. Em sua primeira sessão, ou logo que possível depois disso, a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve decidir sobre as modalidades, regras e diretrizes a serem aplicadas na decisão de quais atividades antrópicas adicionais relacionadas às mudanças nas emissões por fontes e sumidouros de gases de efeito estufa nas categorias de terras agrícolas e mudanças no uso da terra e silvicultura devem ser adicionados aos montantes alocados às Partes incluídas no Anexo I ou subtraídos dessas quantidades e como proceder nesse sentido, dadas as incertezas, a necessidade de comunicar dados transparentes e verificáveis, o trabalho metodológico do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, a assessoria prestada pelo '' Órgão subsidiário de assessoria científica e tecnológica em conformidade com o Artigo 5 e as decisões da Conferência isto das Partes. Esta decisão é válida para o segundo período de compromisso e para os períodos seguintes. Uma Parte pode aplicá-lo a essas atividades antrópicas adicionais durante o primeiro período de compromisso, desde que essas atividades tenham ocorrido desde 1990.

5. Partes incluídas no Anexo I que estão em transição para uma economia de mercado e cujo ano ou período base foi estabelecido de acordo com a decisão 9 / CP.2, adotada pela Conferência das Partes em seu segunda sessão, cumprir os compromissos assumidos neste artigo com base no ano ou período de referência. Qualquer outra Parte incluída no Anexo I que esteja em transição para uma economia de mercado e que ainda não tenha estabelecido sua comunicação inicial nos termos do Artigo 12 da Convenção também pode notificar a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes neste Protocolo sua intenção de reter um ano ou um período de referência histórico diferente de 1990 para cumprir seus compromissos assumidos neste artigo. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve decidir sobre a aceitação desta notificação.

6. À luz do artigo 6, parágrafo 4, da Convenção, a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo concede às Partes incluídas no Anexo I que estão em transição para uma economia de mercado flexibilidade em o cumprimento de seus compromissos que não os mencionados neste artigo.

7. Durante o primeiro período de compromissos quantificados de limitação e redução de emissões, de 2008 a 2012, o valor alocado a cada uma das Partes incluídas no Anexo I é igual à porcentagem inscrita para ele no Anexo B, de suas emissões antrópicas agregadas, expressas em dióxido de carbono equivalente, dos gases de efeito estufa indicados no Anexo A em 1990, ou durante o ano ou período de referência estabelecido de acordo com parágrafo 5º acima, multiplicado por cinco. As partes incluídas no Anexo I para as quais a mudança no uso da terra e a silvicultura foram uma fonte líquida de emissões de gases de efeito estufa em 1990 incluem em suas emissões correspondentes ao ano ou período. referência, para efeito de cálculo do valor que lhes é atribuído, as emissões antrópicas agregadas pelas fontes, expressas em dióxido de carbono equivalente, deduzidas das quantidades absorvidas pelos sumidouros em 1990, por serem decorrentes da variação do uso da terra.

8. Qualquer Parte referida no Anexo I pode escolher 1995 como ano-base para os fins do cálculo referido no parágrafo 7 acima para hidrofluorocarbonos, perfluorocarbonos e hexafluoreto de enxofre.

9. Para as Partes incluídas no Anexo I, os compromissos para os períodos seguintes são estabelecidos nas emendas ao Anexo B deste Protocolo, que são adotadas de acordo com o parágrafo 7 do Artigo 21. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo, iniciará a revisão desses compromissos pelo menos sete anos antes do final do primeiro período de compromisso referido no parágrafo 1 acima.

10. Qualquer unidade de redução de emissões, ou qualquer fração de uma quantidade atribuída, que uma Parte adquira de outra Parte de acordo com as disposições dos Artigos 6 ou 17, será adicionada à quantidade atribuída da Parte que realiza a redução. 'aquisição.

11. Qualquer unidade de redução de emissões, ou qualquer fração de uma quantidade atribuída, que uma Parte transferir para outra Parte de acordo com as disposições dos Artigos 6 ou 17 deve ser subtraída da quantidade atribuída da Parte transferidora.

12. Qualquer unidade certificada de redução de emissões que uma Parte adquira de outra Parte, de acordo com as disposições do Artigo 12, será adicionada à quantidade alocada à Parte adquirente.

13. Se as emissões de uma Parte referida no Anexo I durante um período de compromisso forem inferiores à quantidade atribuída a ela nos termos deste Artigo, a diferença será, a pedido dessa Parte, adicionado à quantidade alocada a ele para os períodos de compromisso subsequentes.

14. Cada Parte incluída no Anexo I se esforçará para cumprir os compromissos referidos no parágrafo 1 acima, a fim de minimizar as consequências sociais, ambientais e econômicas adversas para as Partes países em desenvolvimento, em particular as designadas nos parágrafos 8 e 9 do artigo 4 da Convenção. Consistente com as decisões relevantes da Conferência das Partes com relação à implementação destes parágrafos, a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve, em sua primeira sessão, considerar as medidas necessárias para minimizar os efeitos das mudanças. clima e / ou o impacto das medidas de resposta nas Partes mencionadas nestes parágrafos. Entre as questões a serem consideradas estão o estabelecimento de finanças, seguros e transferência de tecnologia.

Artigo 4

1. Todas as Partes incluídas no Anexo I que concordaram em cumprir conjuntamente seus compromissos nos termos do Artigo 3 serão consideradas como tendo cumprido esses compromissos na medida em que o total cumulativo de suas emissões antrópicas agregadas, expresso em dióxido de carbono equivalente, dos gases com efeito de estufa indicados no Anexo A não exceda as quantidades que lhes são atribuídas, calculadas com base nos seus compromissos quantificados de limitação e redução de emissões listados no Anexo B e de acordo com as disposições do Artigo 3. O respectivo nível de emissões atribuído a cada uma das Partes do Acordo está indicado no Acordo.

Leia também:  O efeito estufa, conseqüências prováveis?

2. As Partes de qualquer um desses acordos notificarão os seus termos ao Secretariado na data do depósito dos seus instrumentos de ratificação, aceitação ou aprovação ou adesão a este Protocolo. O secretariado, por sua vez, informa as Partes da Convenção e os signatários dos termos do acordo.

3. Qualquer acordo desse tipo permanecerá em vigor durante o período de compromisso especificado no parágrafo 7 do artigo 3.

4. Se as Partes agindo em conjunto o fizerem no âmbito e em consulta com uma organização regional de integração econômica, qualquer mudança na composição dessa organização ocorrida após a adoção deste Protocolo não afetará sobre os compromissos assumidos neste instrumento. Qualquer alteração da composição da organização só é tida em conta para efeitos dos compromissos previstos no artigo 3.º que sejam adoptados após essa alteração.

5. Se as Partes de tal acordo não cumprirem o total cumulativo esperado de reduções de emissões, cada uma das partes será responsável pelo nível de suas próprias emissões estabelecido no acordo.

6. Se as Partes agindo em conjunto o fizerem no âmbito de uma organização regional de integração econômica que seja parte neste Protocolo e em consulta com ele, cada Estado-Membro dessa organização regional de integração econômica, como individual e em conjunto com a organização regional de integração econômica agindo de acordo com o Artigo 24, é responsável pelo nível de suas emissões conforme notificado nos termos deste Artigo, caso o nível cumulativo total de reduções em 'emissões não podem ser alcançadas.

Artigo 5

1. Cada Parte incluída no Anexo I deve estabelecer, no máximo um ano antes do início do primeiro período de compromisso, um sistema nacional que lhe permita estimar as emissões antrópicas por fontes e absorção por os sumidouros de todos os gases de efeito estufa não regulamentados pelo Protocolo de Montreal. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve, em sua primeira sessão, decidir sobre a estrutura de orientação de tais sistemas nacionais, que incluirá as metodologias especificadas no parágrafo 2 abaixo.

2. As metodologias para estimar as emissões antrópicas por fontes e absorção por sumidouros de todos os gases de efeito estufa não regulamentados pelo Protocolo de Montreal são as aprovadas pelo Painel Intergovernamental sobre mudança climática e endossado pela Conferência das Partes em sua terceira sessão. Quando essas metodologias não forem utilizadas, os ajustes apropriados deverão ser feitos de acordo com as metodologias adotadas pela Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo em sua primeira sessão. Com base, inter alia, no trabalho do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e no conselho fornecido pelo Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico, a Conferência das Partes, na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo, deve considerar regularmente e, conforme apropriado, revisar essas metodologias e ajustes, levando plenamente em consideração quaisquer decisões relevantes da Conferência das Partes. Qualquer revisão de metodologias ou ajustes serve apenas para verificar o cumprimento dos compromissos previstos no Artigo 3 para qualquer período de compromisso posterior a esta revisão.

3. Os potenciais de aquecimento global usados ​​para calcular o dióxido de carbono equivalente às emissões antropogênicas por fontes e absorção por sumidouros de gases de efeito estufa mostrados no Anexo A são os aprovados. pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima e aprovado pela Conferência das Partes em sua terceira sessão. Com base, inter alia, no trabalho do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e no conselho fornecido pelo Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico, a Conferência das Partes, na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo, deve considerar regularmente e, se necessário, revisar o potencial de aquecimento global correspondente a cada um desses gases de efeito estufa, levando plenamente em consideração qualquer decisão relevante da Conferência das Partes. Qualquer revisão de um potencial de aquecimento global só se aplica aos compromissos previstos no Artigo 3 para qualquer período de compromisso subsequente a esta revisão.

Artigo 6

1. A fim de cumprir seus compromissos nos termos do Artigo 3, qualquer Parte referida no Anexo I pode transferir para qualquer outra Parte com o mesmo status, ou adquirir dela, unidades de redução de emissões resultantes de projetos. visa reduzir as emissões antrópicas por fontes ou potencializar remoções antrópicas por sumidouros de gases de efeito estufa em qualquer setor da economia, desde que:

a) Qualquer um desses projetos tem o acordo das Partes interessadas;

(b) Qualquer um desses projetos permite uma redução nas emissões por fontes, ou um aumento das remoções por sumidouros, além daquelas que poderiam ser obtidas de outra forma;

(c) A Parte em questão não poderá adquirir nenhuma unidade de redução de emissões se não cumprir suas obrigações nos termos dos artigos 5 e 7;

d) A aquisição de unidades de redução de emissões complementa as medidas tomadas a nível nacional para cumprimento dos compromissos previstos no artigo 3º.

2. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo pode, em ou logo que possível após a sua primeira sessão, desenvolver diretrizes para a implementação deste artigo, em particular no que diz respeito ao auditoria e relatórios.

3. Uma Parte referida no Anexo I pode autorizar pessoas jurídicas a participar, sob sua responsabilidade, em medidas que conduzam à produção, transferência ou aquisição, nos termos deste Artigo, de unidades de redução de emissões. .

4. Se for levantada uma questão relativa à aplicação dos requisitos mencionados neste artigo, de acordo com as disposições pertinentes do artigo 8.º, as alienações e aquisições de unidades de redução de emissões podem continuar após a questão ter sido levantada. com o entendimento de que nenhuma Parte poderá usar essas unidades para cumprir seus compromissos com o Artigo 3 até que a questão de conformidade tenha sido resolvida.

Artigo 7

1. Cada Parte incluída no Anexo I deverá incluir em seu inventário anual de emissões antrópicas por fontes e absorção por sumidouros de gases de efeito estufa não regulamentados pelo Protocolo de Montreal, estabelecido de acordo com as decisões pertinentes. da Conferência das Partes, informações adicionais necessárias para assegurar o cumprimento das disposições do Artigo 3 e que serão determinadas de acordo com o parágrafo 4 abaixo.

2. Cada Parte incluída no Anexo I incluirá em sua comunicação nacional preparada de acordo com o Artigo 12 da Convenção as informações adicionais necessárias para demonstrar que está cumprindo seus compromissos. sob este Protocolo, e a ser determinado de acordo com o parágrafo 4 abaixo.

3. Cada Parte incluída no Anexo I deve apresentar as informações exigidas no parágrafo 1 acima de cada ano, começando com o primeiro inventário que é obrigado a estabelecer de acordo com a Convenção para o primeiro ano de período de compromisso após a entrada em vigor do presente Protocolo para o mesmo. Cada Parte fornecerá as informações exigidas no parágrafo 2 acima como parte da primeira comunicação nacional que é obrigada a apresentar nos termos da Convenção após a entrada em vigor deste Protocolo para ela e após a adoção das diretrizes previstas no parágrafo 4 abaixo. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve decidir sobre a periodicidade com que as informações exigidas neste artigo devem ser posteriormente comunicadas, levando em consideração qualquer cronograma que possa ser decidido pela Conferência das Partes para apresentação. comunicações nacionais.

4. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve adotar em sua primeira sessão e, posteriormente, revisar periodicamente as diretrizes para a preparação das informações exigidas neste artigo, levando em consideração as diretrizes para a preparação das comunicações nacionais. Partes incluídas no Anexo I adotado pela Conferência das Partes. Além disso, antes do início do primeiro período de compromisso, a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve decidir sobre os procedimentos de contabilização dos montantes alocados.

Artigo 8

1. As informações comunicadas nos termos do artigo 7.º por cada uma das Partes incluídas no Anexo I serão revistas por equipas compostas por peritos, de acordo com as decisões pertinentes da Conferência das Partes e de acordo com as directrizes adoptadas para este fim. nos termos do parágrafo 4 abaixo pela Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo. As informações relatadas de acordo com o parágrafo 1 do Artigo 7 por cada uma das Partes incluídas no Anexo I serão consideradas como parte da compilação anual de inventários de emissões e quantidades atribuídas e a contabilidade correspondente. Além disso, as informações fornecidas nos termos do parágrafo 2 do Artigo 7 por cada uma das Partes incluídas no Anexo I serão consideradas como parte da consideração das comunicações.

2. As equipes de revisão serão coordenadas pelo secretariado e compostas por especialistas escolhidos entre aqueles designados pelas Partes da Convenção e, quando apropriado, por organizações intergovernamentais, de acordo com as indicações fornecidas para esse fim pelo Conferência das Partes.

3. O processo de revisão permite uma avaliação técnica completa e detalhada de todos os aspectos da implementação deste Protocolo por uma Parte. As equipes de revisão devem preparar um relatório para a Conferência das Partes atuando como a reunião das Partes deste Protocolo, no qual avaliam o cumprimento dessa Parte com seus compromissos e indicam quaisquer problemas encontrados no cumprimento desses compromissos e fatores que influenciam seu desempenho. O secretariado distribui este relatório a todas as Partes da Convenção. Além disso, o secretariado deve compilar uma lista de questões de implementação que podem ser mencionadas neste relatório para apresentação à Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo para posterior consideração.

4. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve adotar em sua primeira sessão e, posteriormente, revisar periodicamente as diretrizes para a revisão da implementação deste Protocolo por equipes de especialistas, levando em consideração decisões relevantes da Conferência das Partes.

5. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve considerar, com a assistência do Órgão Subsidiário de Implementação e do Órgão Subsidiário de Aconselhamento Científico e Tecnológico, conforme apropriado:

(a) Informações submetidas pelas Partes em conformidade com o artigo 7 e relatórios sobre as análises dessas informações realizadas por especialistas em conformidade com este artigo;

(b) Questões de implementação listadas pelo secretariado de acordo com o parágrafo 3 acima, bem como questões levantadas pelas Partes.

6. Como resultado da consideração das informações mencionadas no parágrafo 5 acima, a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deverá, sobre qualquer assunto, tomar as decisões necessárias para os fins de implementação deste Protocolo.

Artigo 9

1. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo revisará periodicamente o referido Protocolo à luz dos dados e avaliações científicas mais confiáveis ​​sobre a mudança do clima e seu impacto, bem como dados técnicos, sociais e econômicos relevantes. Essas análises são coordenadas com as análises relevantes previstas na Convenção, em particular as exigidas nos termos do artigo 2, parágrafo 4 (d) e artigo 2, parágrafo 7 (a), da Convenção. Convenção. Com base nessas análises, a Conferência das Partes, na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo, deve tomar as medidas adequadas.

2. A primeira revisão será realizada na segunda sessão da Conferência das Partes, na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo. Posteriormente, novos exames são realizados de forma regular e pontual.

Artigo 10

Todas as Partes, levando em consideração suas responsabilidades comuns, porém diferenciadas, e a especificidade de suas prioridades de desenvolvimento nacional e regional, seus objetivos e sua situação, sem prever novos compromissos para as Partes não incluídas no Anexo Mas reafirmo os já previstos no artigo 1º, parágrafo 4º, da Convenção e continuando a progredir no cumprimento desses compromissos com vistas a alcançar o desenvolvimento sustentável, levando em consideração os parágrafos 3, 5 e 7 do Artigo 4 da Convenção:

a) Desenvolver, quando relevante e na medida do possível, programas nacionais e regionais com boa relação custo-benefício para melhorar a qualidade dos fatores de emissão, dados de atividades e / ou modelos locais e que reflitam a situação econômica de cada Parte, com o objetivo de estabelecer e atualizar periodicamente inventários nacionais de emissões antrópicas por fontes e absorção por sumidouros de gases de efeito estufa não regulamentados pelo Protocolo de Montreal, utilizando metodologias comparáveis ​​que deverão ser decididas pela Conferência das Partes e cumprir as diretrizes para a preparação de comunicações nacionais adotadas pela mesma Conferência;

Leia também:  Endgame Terra?

(b) Desenvolver, implementar, publicar e atualizar regularmente programas nacionais e, quando apropriado, regionais, contendo medidas para mitigar as mudanças climáticas e medidas para facilitar a adaptação adequada a essas mudanças;

i) Esses programas devem estar relacionados, em particular, com os setores de energia, transportes e industrial, bem como com a agricultura, silvicultura e gestão de resíduos. Além disso, as tecnologias e métodos de adaptação para melhorar o planejamento espacial permitiriam uma melhor adaptação às mudanças climáticas;

(ii) As Partes incluídas no Anexo I devem comunicar informações sobre as medidas tomadas no âmbito deste Protocolo, incluindo programas nacionais, de acordo com o Artigo 7; as outras Partes envidarão esforços para incluir em suas comunicações nacionais, quando apropriado, informações sobre programas que contenham medidas que, em sua opinião, ajudem a enfrentar as mudanças climáticas e seus efeitos adversos. , incluindo medidas para reduzir o aumento das emissões de gases de efeito estufa e aumentar a absorção por sumidouros, medidas de capacitação e medidas de adaptação;

(c) Cooperar para promover modalidades eficazes para o desenvolvimento, aplicação e disseminação de tecnologias ambientalmente saudáveis, know-how, práticas e processos relevantes para a mudança climática e tomar todas as medidas possíveis para promover, facilitar e financiar, conforme o caso, o acesso ou a transferência desses recursos, em particular para o benefício dos países em desenvolvimento, incluindo o desenvolvimento de políticas e programas destinados a garantir efetivamente a transferência de tecnologias ambientalmente amigáveis. sistemas pertencentes ao domínio público ou pertencentes ao setor público e o estabelecimento de um ambiente propício para o setor privado a fim de facilitar e fortalecer o acesso a tecnologias ambientalmente saudáveis ​​e sua transferência;

d) Cooperar na investigação técnica e científica e incentivar a exploração e desenvolvimento de sistemas de observação sistemática e a constituição de arquivos de dados de forma a reduzir as incertezas sobre o sistema climático, os efeitos adversos das alterações climáticas e a conseqüências econômicas e sociais das várias estratégias de resposta, e buscam promover o estabelecimento e fortalecimento de capacidades endógenas e meios de participação em esforços, programas e redes internacionais e intergovernamentais de pesquisa e observação sistemática, levando em consideração Artigo 5 da Convenção;

e) Apoiar por meio de sua cooperação e incentivar, em nível internacional, utilizando, quando apropriado, os órgãos existentes, o desenvolvimento e implementação de programas de educação e treinamento, incluindo o fortalecimento das capacidades nacionais , em particular a nível humano e institucional, e o intercâmbio ou destacamento de pessoal responsável pela formação de especialistas na área, em particular para países em desenvolvimento, e facilitando a nível nacional a sensibilização do público para as alterações climáticas acesso a informações sobre essas mudanças. Devem ser desenvolvidas modalidades apropriadas para que essas atividades sejam realizadas por meio dos órgãos pertinentes no âmbito da Convenção, levando em consideração o artigo 6 da Convenção;

(f) Incluir em suas comunicações nacionais informações sobre programas e atividades realizadas sob este artigo, de acordo com as decisões relevantes da Conferência das Partes;

g) Levar em devida conta, no cumprimento das obrigações previstas neste artigo, o artigo 8, parágrafo 4, da Convenção.

Artigo 11

1. Na aplicação do Artigo 10, as Partes levarão em consideração as disposições dos parágrafos 4, 5, 7, 8 e 9 do Artigo 4 da Convenção.

2. No âmbito da aplicação do parágrafo 1 do artigo 4 da Convenção, de acordo com as disposições do parágrafo 3 do artigo 4 e do artigo 11 deste, e por meio do entidade ou entidades responsáveis ​​por garantir o funcionamento do mecanismo financeiro da Convenção, as Partes países desenvolvidos e outras Partes desenvolvidas listadas no Anexo II da Convenção:

(a) Fornecer recursos financeiros novos e adicionais para cobrir todos os custos acordados incorridos pelos países em desenvolvimento para progredir no cumprimento dos compromissos já estabelecidos no artigo 1, parágrafo 4 (a) da Convenção e referido no artigo 10 (a) deste Protocolo;

(b) Fornecer também as Partes países em desenvolvimento, inclusive para fins de transferência de tecnologia, os recursos financeiros de que precisam para cobrir todos os custos adicionais acordados incorridos para o progresso no cumprimento dos compromissos já estabelecidos no parágrafo 1 do Artigo 4º da Convenção e referido no Artigo 10º do presente Protocolo, sobre o qual uma Parte país em desenvolvimento deverá ter acordado com a entidade ou entidades internacionais referidas no Artigo 11º da Convenção, em conformidade com aquele artigo.

O cumprimento desses compromissos leva em consideração a necessidade de fluxos de fundos adequados e previsíveis, bem como a importância da divisão apropriada dos encargos entre as Partes países desenvolvidos. Orientação para a entidade ou entidades responsáveis ​​pela operação do mecanismo financeiro da Convenção contida em decisões relevantes da Conferência das Partes, incluindo aquelas aprovadas antes da adoção deste Protocolo , aplicar-se-ão mutatis mutandis ao disposto neste parágrafo.

3. As Partes países desenvolvidos e outras Partes desenvolvidas listadas no Anexo II da Convenção também podem fornecer, e as Partes países em desenvolvimento podem obter, recursos financeiros para a implementação do Artigo 10 deste Protocolo. bilateralmente, regionalmente ou multilateralmente.

Artigo 12

1. Um mecanismo para o desenvolvimento “limpo” é estabelecido.

2. O objetivo do mecanismo de desenvolvimento "limpo" é ajudar as Partes não-Anexo I a alcançar o desenvolvimento sustentável, bem como contribuir para o objetivo final da Convenção, e auxiliar as Partes incluídas no Anexo I a cumprir seus compromissos quantificados de limitar e reduzir suas emissões de acordo com o Artigo 3.

3. No mecanismo de desenvolvimento “limpo”:

(a) As Partes não listadas no Anexo I se beneficiam de atividades realizadas no âmbito de projetos, que resultam em reduções certificadas de emissões;

(b) As Partes incluídas no Anexo I podem usar as reduções de emissões certificadas obtidas por meio dessas atividades para cumprir parte de seus compromissos quantificados de limitação e redução de emissões nos termos do Artigo 3, de acordo com o que determinado pela Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo.

4. O mecanismo de desenvolvimento “limpo” estará sob a autoridade da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo e deverá seguir suas diretrizes; é supervisionado por um conselho executivo do mecanismo de desenvolvimento “limpo”.

5. As reduções de emissões resultantes de cada atividade devem ser certificadas por entidades operacionais designadas pela Conferência das Partes atuando como a reunião das Partes deste Protocolo, com base nos seguintes critérios:

a) Participação voluntária aprovada por cada Parte interessada;

(b) Benefícios reais, mensuráveis ​​e sustentáveis ​​associados à mitigação das mudanças climáticas;

c) Reduções de emissões além daquelas que ocorreriam na ausência da atividade certificada.

6. O mecanismo de desenvolvimento “limpo” ajuda a organizar o financiamento para atividades certificadas, conforme necessário.

7. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve desenvolver em sua primeira sessão modalidades e procedimentos para garantir transparência, eficiência e responsabilidade por meio de auditoria independente e verificação de atividades.

8. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve assegurar que uma parte dos fundos das atividades certificadas seja usada para cobrir custos administrativos e ajudar as Partes países em desenvolvimento que são particularmente vulneráveis ​​aos efeitos adversos de mudança climática para financiar o custo da adaptação.

9. Podem participar no mecanismo de desenvolvimento “limpo”, nomeadamente nas actividades referidas na alínea a) do n.º 3 anterior e na aquisição de unidades certificadas de redução de emissões, tanto de entidades públicas como privadas. ; a participação está sujeita a diretrizes que podem ser dadas pela diretoria do mecanismo.

10. As reduções certificadas de emissões alcançadas entre 2000 e o início do primeiro período de compromisso podem ser usadas para ajudar a cumprir os compromissos para aquele período.

Artigo 13

1. Como órgão supremo da Convenção, a Conferência das Partes atuará como a reunião das Partes deste Protocolo.

2. As Partes da Convenção que não são Partes deste Protocolo podem participar, na qualidade de observadores, nos trabalhos de qualquer sessão da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo. Quando a Conferência das Partes atuar como a reunião das Partes deste Protocolo, as decisões tomadas ao abrigo desse Protocolo serão tomadas apenas pelas Partes deste instrumento.

3. Quando a Conferência das Partes atuar como a reunião das Partes deste Protocolo, qualquer membro do Bureau da Conferência das Partes que represente uma Parte da Convenção que, naquele momento, não seja Parte deste Protocolo, será substituído por um novo membro eleito por e de entre as Partes deste Protocolo.

4. A Conferência das Partes, na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo, examinará regularmente a implementação deste Protocolo e adotará, dentro dos limites de seu mandato, as decisões necessárias para promover sua efetiva implementação. Exerce as funções que lhe são conferidas pelo presente Protocolo e:

a) Avalia, com base em todas as informações que lhe são comunicadas de acordo com as disposições do presente Protocolo, a sua implementação pelas Partes, os efeitos globais das medidas tomadas em aplicação do presente Protocolo, em em particular, os efeitos ambientais, econômicos e sociais e seus impactos cumulativos, e o progresso feito em direção ao objetivo da Convenção;

(b) Deve rever periodicamente as obrigações das Partes ao abrigo do presente Protocolo, tendo devidamente em conta quaisquer revisões previstas no artigo 2, parágrafo 4 (d) e no artigo 2, parágrafo 7, da Convenção e tendo em conta o objetivo da Convenção, a experiência adquirida na sua aplicação e no desenvolvimento do conhecimento científico e tecnológico e, a este respeito, analisa e adota relatórios periódicos sobre a sua implementação. Protocolo;

c) Incentiva e facilita o intercâmbio de informações sobre as medidas adotadas pelas Partes para enfrentar as mudanças climáticas e seus efeitos, levando em consideração a diversidade de situações, responsabilidades e meios das Partes, bem como seus respectivos compromissos sob este Protocolo;

d) Facilite, a pedido de duas ou mais Partes, a coordenação das medidas que tenham adotado para fazer face às alterações climáticas e seus efeitos, tendo em conta a diversidade de situações, responsabilidades e meios das Partes. bem como seus respectivos compromissos sob este Protocolo;

e) Encoraja e orienta, de acordo com o objetivo da Convenção e as disposições do presente Protocolo e tendo plenamente em conta as decisões relevantes da Conferência das Partes, o desenvolvimento e o refinamento periódico de metodologias comparáveis ​​para permitir a implementar efetivamente o referido Protocolo, que será decidido pela Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo;

f) formular recomendações sobre todas as questões necessárias à implementação deste Protocolo;

(g) Esforçar-se por mobilizar recursos financeiros adicionais de acordo com o parágrafo 2 do artigo 11;

(h) estabelecer os órgãos subsidiários considerados necessários para a implementação do presente Protocolo;

(i) Quando apropriado, deve procurar e utilizar os serviços e a assistência de organizações internacionais e de órgãos intergovernamentais e não governamentais competentes, bem como as informações por eles fornecidas;

j) Desempenhará todas as outras funções que possam ser necessárias para a implementação deste Protocolo e examinará qualquer tarefa decorrente de uma decisão da Conferência das Partes.

5. As regras de procedimento da Conferência das Partes e os procedimentos financeiros aplicados ao abrigo da Convenção aplicar-se-ão mutatis mutandis a este Protocolo, a menos que a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo decida de outra forma por consenso.

6. O secretariado deve convocar a primeira sessão da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo por ocasião da primeira sessão da Conferência das Partes programada após a entrada em vigor deste Protocolo. As sessões ordinárias subsequentes da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo devem ser realizadas anualmente e coincidir com as sessões ordinárias da Conferência das Partes, a menos que a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo não decide de outra forma.

7. A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve realizar sessões extraordinárias em qualquer outro momento quando julgar necessário ou se uma Parte assim solicitar por escrito, desde que tal pedido seja apoiado por uma terceira parte do menos do que as Partes no prazo de seis meses após a sua comunicação às Partes pelo Secretariado.

8. As Nações Unidas, suas agências especializadas e a Agência Internacional de Energia Atômica, bem como qualquer Estado membro de uma dessas organizações ou com status de observador em uma delas que não não é Parte na Convenção, pode ser representado nas sessões da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes no presente Protocolo como observadores. Qualquer organismo ou organismo, nacional ou internacional, governamental ou não governamental, que seja competente nas áreas abrangidas pelo presente Protocolo e que tenha informado o secretariado que deseja ser representado como um observador numa sessão da Conferência de As Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo podem ser admitidas nessa qualidade, a menos que pelo menos um terço das Partes presentes faça objeção. A admissão e participação de observadores regem-se pelo regulamento interno referido no n.º 5 supra.

Leia também:  Certificados de economia de energia: como tirar proveito deles?

Artigo 14

1. O secretariado estabelecido em conformidade com o artigo 8º da Convenção providenciará o secretariado para este Protocolo.

2. O parágrafo 2 do artigo 8 da Convenção, relativo às funções do secretariado, e o parágrafo 3 do mesmo artigo, relativo às disposições tomadas para o seu funcionamento, serão aplicáveis ​​mutatis mutandis a este Protocolo. O secretariado deve também desempenhar as funções que lhe são confiadas neste Protocolo.

Artigo 15

1. O Órgão Subsidiário de Aconselhamento Científico e Tecnológico e o Órgão Subsidiário de Implementação da Convenção estabelecidos pelos Artigos 9 e 10 da Convenção funcionarão, respectivamente, como Órgão Subsidiário de Aconselhamento Científico e Tecnológico e como um Órgão subsidiário para a implementação deste Protocolo. As disposições da Convenção relativas ao funcionamento destes dois órgãos aplicar-se-ão mutatis mutandis ao presente Protocolo. As reuniões do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico e do Órgão Subsidiário de Implementação deste Protocolo coincidem com as do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico e do Órgão Subsidiário de Implementação do Convenção.

2. As Partes da Convenção que não são Partes deste Protocolo podem participar como observadores nos trabalhos de qualquer sessão dos órgãos subsidiários. Quando os órgãos subsidiários atuarem como órgãos subsidiários deste Protocolo, as decisões ao abrigo deste Protocolo deverão ser tomadas apenas pelas Partes da Convenção que sejam Partes deste instrumento.

3. Quando os órgãos subsidiários estabelecidos pelos Artigos 9 e 10 da Convenção exercerem suas funções em uma área coberta por este Protocolo, qualquer membro de seu gabinete que represente uma Parte da Convenção que, naquele momento, não seja que não fizer parte do presente protocolo será substituído por um novo membro eleito pelas partes do protocolo e dentre elas.

Artigo 16

A Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve considerar a aplicação a este Protocolo do processo consultivo multilateral referido no Artigo 13 da Convenção o mais rapidamente possível e modificá-lo conforme necessário, à luz de qualquer decisão relevante que pode ser tomada pela Conferência das Partes da Convenção. Qualquer processo consultivo multilateral que possa ser aplicado a este Protocolo operará sem prejuízo dos procedimentos e mecanismos estabelecidos de acordo com o Artigo 18.

Artigo 17

A Conferência das Partes define os princípios, modalidades, regras e diretrizes a serem aplicados com relação a, inter alia, verificação, relatório e responsabilidade no comércio de emissões. As Partes incluídas no Anexo B podem participar do comércio de emissões com o propósito de cumprir seus compromissos nos termos do Artigo 3. Qualquer comércio desse tipo é um acréscimo às medidas tomadas em nível nacional para cumprir os compromissos. limites de emissão e números de redução previstos neste artigo.

Artigo 18

Em sua primeira sessão, a Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo deve aprovar procedimentos e mecanismos adequados e eficazes para identificar e considerar casos de não conformidade com as disposições deste Protocolo, em particular através da elaboração de uma lista indicativa de consequências, tendo em conta a causa, o tipo e o grau de não conformidade e a frequência dos casos. Se os procedimentos e mecanismos previstos neste artigo resultarem em consequências vinculativas para as Partes, eles deverão ser adotados por meio de uma emenda a este Protocolo.

Artigo 19

As disposições do artigo 14 da Convenção relativas à solução de controvérsias aplicam-se mutatis mutandis a este Protocolo.

Artigo 20

1. Qualquer parte pode propor alterações ao presente protocolo.

2. As emendas a este Protocolo devem ser adotadas em sessão ordinária da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo. O texto de qualquer emenda proposta a este Protocolo será comunicado às Partes pelo secretariado pelo menos seis meses antes da reunião em que a emenda será proposta para adoção. O secretariado também comunicará o texto de qualquer emenda proposta às Partes da Convenção e aos signatários deste instrumento e, para informação, ao Depositário.

3. As Partes envidarão todos os esforços para chegar a um acordo por consenso sobre qualquer emenda proposta a este Protocolo. Se todos os esforços nesse sentido forem malsucedidos e nenhum acordo for alcançado, a emenda é adotada como último recurso por maioria de três quartos dos votos das Partes presentes e votantes. A emenda adotada é comunicada pelo secretariado ao Depositário, que a transmite a todas as Partes para aceitação.

4. Os instrumentos de aceitação das emendas serão depositados junto ao Depositário. Qualquer emenda adotada de acordo com o parágrafo 3 acima deverá entrar em vigor com relação às Partes que a tenham aceito no nonagésimo dia após a data de recebimento pelo Depositário dos instrumentos de aceitação três quartos do tempo. menos Partes deste Protocolo.

5. A emenda entrará em vigor, em relação a qualquer outra Parte, no nonagésimo dia após a data do depósito por essa Parte junto ao Depositário do seu instrumento de aceitação da referida emenda.

Artigo 21

1. Os anexos do presente Protocolo constituem parte integrante do mesmo e, salvo disposição expressa em contrário, qualquer referência ao presente Protocolo constitui, ao mesmo tempo, uma referência aos seus anexos. Se os anexos forem adotados após a entrada em vigor deste Protocolo, eles se limitarão a listas, formulários e outros documentos descritivos de natureza científica, técnica, processual ou administrativa.

2. Qualquer parte pode propor anexos ao presente protocolo ou alterações aos anexos ao presente protocolo.

3. Os anexos a este Protocolo e as emendas aos anexos a este Protocolo devem ser adotados em sessão ordinária da Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo. O texto de qualquer anexo proposto ou emenda a um anexo deve ser comunicado às Partes pelo secretariado pelo menos seis meses antes da reunião em que o anexo ou a emenda é proposto para adoção. O secretariado comunicará também o texto de qualquer proposta de anexo ou emenda a um anexo às Partes da Convenção e aos signatários deste instrumento e, para informação, ao Depositário.

4. As Partes envidarão todos os esforços para chegar a um acordo por consenso sobre qualquer proposta de anexo ou emenda a um anexo. Se todos os esforços nesse sentido forem malsucedidos e nenhum acordo for alcançado, o anexo ou a emenda a um anexo será adotado como último recurso pelo voto da maioria de três quartos das Partes presentes e votantes. O anexo ou a emenda a um anexo adotado é comunicado pelo secretariado ao depositário, que o transmite a todas as partes para aceitação.

5. Qualquer anexo ou emenda a um anexo, com exceção do anexo A ou B, que tenha sido adotado de acordo com os parágrafos 3 e 4 acima, entrará em vigor, em relação a todas as Partes deste Protocolo, por seis meses. após a data em que o Depositário os notifique de sua adoção, com exceção das Partes que, entretanto, notificaram o Depositário por escrito que não aceitam o anexo ou emenda em questão. Com relação às Partes que retiraram sua notificação de não aceitação, o anexo ou emenda a um anexo entrará em vigor no nonagésimo dia após a data de recebimento pelo Depositário da notificação de esta retirada.

6. Se a adoção de um anexo ou de uma emenda a um anexo exigir uma emenda a este Protocolo, tal anexo ou emenda a um anexo não entrará em vigor até que a emenda ao próprio Protocolo entre em vigor. força.

7. As emendas aos Anexos A e B do presente Protocolo serão adotadas e entrarão em vigor de acordo com o procedimento estabelecido no Artigo 20, desde que qualquer emenda ao Anexo B seja adotada somente com o consentimento escrito da Parte interessada. .

Artigo 22

1. Cada Parte terá um voto, sujeito ao disposto no parágrafo 2 abaixo.

2. Nos campos de sua competência, as organizações regionais de integração econômica terão, para exercer seu direito de voto, um número de votos igual ao número de seus Estados membros que sejam Partes deste Protocolo. Essas organizações não exercerão seu direito de voto se algum de seus Estados membros exercer esse direito e vice-versa.

Artigo 23

O Secretário-Geral das Nações Unidas é o Depositário deste Protocolo.

Artigo 24

1. Este Protocolo estará aberto para assinatura e sujeito a ratificação, aceitação ou aprovação pelos Estados e organizações regionais de integração econômica que sejam Partes da Convenção. Estará aberto para assinatura na Sede das Nações Unidas em Nova York de 16 de março de 1998 a 15 de março de 1999 e estará aberto para adesão no dia seguinte ao de sua cessação de abertura para assinatura. Os instrumentos de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão são depositados com o Depositário.

2. Qualquer organização regional de integração econômica que se torne Parte deste Protocolo sem que nenhum de seus Estados membros seja Parte estará vinculada por todas as obrigações decorrentes deste Protocolo. Quando um ou mais Estados Membros de tal organização são Partes deste Protocolo, essa organização e seus Estados Membros devem concordar sobre suas respectivas responsabilidades para o cumprimento de suas obrigações decorrentes deste Protocolo. Nesse caso, a organização e seus Estados membros não têm o direito de exercer concomitantemente os direitos decorrentes deste Protocolo.

3. Em seus instrumentos de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão, as organizações regionais de integração econômica indicarão o alcance de sua competência com respeito às questões regidas por este Protocolo. Além disso, essas organizações deverão informar o Depositário, que por sua vez informará as Partes, de qualquer alteração material no âmbito de sua competência.

Artigo 25

1. Este Protocolo entrará em vigor no nonagésimo dia após a data de depósito de seus instrumentos de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão por pelo menos 55 Partes da Convenção, incluindo Partes incluídas no Anexo I cujas emissões totais de dióxido de carbono em 1990 representaram pelo menos 55% do volume total das emissões de dióxido de carbono de todas as Partes incluídas neste Anexo.

2. Para os fins deste Artigo, "o volume total de emissões de dióxido de carbono em 1990 das Partes incluídas no Anexo I" é o volume notificado pelas Partes incluídas no Anexo I, na data em que adotarem este Protocolo ou antes, em sua comunicação nacional inicial apresentada de acordo com o Artigo 12 da Convenção.

3. Relativamente a cada Parte ou organização regional de integração económica que ratifique, aceite ou aprove o presente Protocolo ou adira ao mesmo depois de satisfeitas as condições para a sua entrada em vigor estabelecidas no parágrafo 1 acima. , o presente Protocolo entrará em vigor no nonagésimo dia a contar da data em que tenha sido depositado por esse Estado ou organização o seu instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão.

4. Para os fins deste artigo, qualquer instrumento depositado por uma organização regional de integração econômica não é adicional aos depositados pelos Estados membros dessa organização.

Artigo 26

Nenhuma reserva pode ser feita a este Protocolo.

Artigo 27

1. Após a expiração de um período de três anos a partir da data de entrada em vigor do presente Protocolo para uma Parte, essa Parte pode, a qualquer momento, denunciá-la por notificação por escrito dirigida a Depositário.

2. A denúncia terá efeito decorrido o prazo de um ano a partir da data em que o Depositário receber a notificação ou em qualquer data posterior especificada na referida notificação.

3. Considera-se que qualquer parte que denuncie a Convenção denunciará também o presente Protocolo.

Artigo 28

O original deste Protocolo, cujos textos em árabe, chinês, inglês, francês, russo e espanhol são igualmente autênticos, será depositado junto ao Secretário-Geral das Nações Unidas.

FEITO em Kyoto, em XNUMX de dezembro de mil novecentos e noventa e sete.

Em fé do que, os abaixo-assinados, devidamente autorizados para esse fim, assinaram o presente Protocolo nas datas indicadas.

Anexo A

Gases com efeito de estufa

Dióxido de carbono (CO2)
Metano (CH4)
Óxido nitroso (N2O)
Hidrofluorcarbonetos (HFCs)
Perfluorocarbonetos (PFCs)
Hexafluoreto de enxofre (SF6)

Setores / Categorias de Origem

Énergie

Combustão de combustíveis

Setor de energia
Indústrias de transformação e construção
Transporte
Outros setores
outro

Emissões fugitivas de combustíveis

combustíveis sólidos
Petróleo e gás natural
outro

Processos industriais

Produtos minerais
Indústria química
Produção de metal
Outra produção
Produção de hidrocarbonetos halogenados e hexafluoreto de enxofre
Consumo de hidrocarbonetos halogenados e hexafluoreto de enxofre
outro

Uso de solventes e outros produtos

sustentável

Fermentação entérica
Gestão de estrume
arroz
Solos agrícolas
Prescrição de queima de savana
Incineração no local de resíduos agrícolas
outro

desperdiçar

Aterro de resíduos sólidos
Tratamento de águas residuais
Incineração de resíduos
outro

Anexo B

Compromissos de limite de parte
ou redução de emissão
(como uma porcentagem das emissões para o ano ou período de referência)
Alemanha 92
108 Austrália
Áustria 92
Bélgica 92
Bulgária * 92
Canadá 94
Comunidade Europeia 92
Croácia * 95
Dinamarca 92
Espanha 92
Estônia * 92
Estados Unidos da América 93
Federação Russa * 100
Finlândia 92
França 92
Grécia 92
Hungria * 94
Irlanda 92
Islândia 110
Itália 92
Japão 94
Letónia * 92
Liechtenstein 92
Lituânia * 92
Luxemburgo 92
Mônaco 92
Noruega 101
Nova Zelândia 100
Holanda 92
Polônia * 94
Portugal 92
República Tcheca * 92
Romênia * 92
Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte 92
Eslováquia * 92
Eslovênia * 92
Suécia 92
Suíça 92
Ucrânia * 100

________________________

* Países em transição para uma economia de mercado.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *