Biodiversidade em perigo

Palavras-chave: cúpula, conferência, biodiversidade, espécies, animais, extinção, influência, homem, causa, modificações, poluição, ecossistema

Revisão da imprensa de 4 artigos sobre a cúpula da UNESCO sobre biodiversidade em janeiro de 2005.

1) Alerta à biodiversidade ameaçada, o mundo

Por Hervé Kempf

Por iniciativa de Jacques Chirac, uma conferência internacional reúne em Paris, a partir de 24 de janeiro, líderes políticos e especialistas científicos.
Brachyta borni é um capricórnio muito pacífico da ordem Coleoptera, que apresenta uma singularidade: provavelmente só existe em um ou dois lugares, localizado nos Alpes franceses, não muito longe da fronteira italiana. Este inseto é uma espécie endêmica, ou seja, só é encontrado nesses locais, no caso próximo a Vars, nos Altos Alpes.
Mas Brachyta borni corre o risco de morrer rapidamente: um pedreiro de fato recebeu em 6 de dezembro de 2004 a autorização da prefeitura para explorar a geleira rochosa onde a espécie se hospeda, no col de Vars. Segundo entomologistas locais, a destruição dessa geleira provavelmente levará à extinção da espécie. No silêncio geral, e sem ninguém poder medir as consequências desta perda de biodiversidade. Como centenas de espécies de insetos, plantas, moluscos, em todo o mundo.
Como a República não está imune a contradições, está organizando, de segunda-feira, 24 de janeiro a sexta-feira, 28, uma conferência internacional sobre o tema “Biodiversidade. Ciência e governança ”. Parte de uma proposta de Jacques Chirac ao G8 em Evian em 2003, esta conferência sem dúvida se destaca entre todos os tipos de encontros que ocupam especialistas e diplomatas de todo o mundo. Porque visa popularizar um tema que é, a par das alterações climáticas, o mais grave da crise ecológica planetária - o empobrecimento da biosfera - e porque questiona explicitamente os meios de transformação do conhecimento ciência na ação política efetiva.
O evento, organizado pela França, reúne líderes políticos de alto nível (Jacques Chirac, que deve inaugurar o comício; mas também o Presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo; o Primeiro-Ministro da Malásia, Abdullah Badawi; o Presidente de Madagascar, Marc Ravalomanana), empresas (Sanofi, Novartis, a Federação Mundial de Farmácia, Total), centenas de cientistas, incluindo o “gratinado” de especialistas em biodiversidade: Edward Wilson, David Tilman, Michel Loreau, Harold Mooney, etc. .
“A originalidade da Conferência”, diz Jacques Weber, diretor do Instituto Francês para a Biodiversidade, “é reunir pessoas que normalmente não se encontram. “É uma questão de fazer um balanço do que sabemos, diz Michel Loreau, presidente da comissão científica da Conferência, e de estabelecer um diálogo com os políticos. Os cientistas têm a impressão de que nada está progredindo, pois a crise da biodiversidade atinge proporções históricas. "
Primeiro problema: como qualificar com precisão a crise da biodiversidade, dar-lhe uma expressão simples, tão compreensível para o público em geral quanto as mudanças climáticas se tornaram?
Se registrarmos a destruição ou degradação dos ecossistemas locais (pântanos, florestas tropicais, pastagens, etc.), bem como o desaparecimento de espécies em um ritmo nunca visto na história do planeta, os cientistas ainda se perguntam. muitas perguntas: como sintetizar essa crise usando indicadores simples? Como medir esses desaparecimentos para as ordens mais abundantes, mas menos conhecidas (invertebrados)? Como avaliar as consequências concretas da degradação do ecossistema?
Essas dificuldades explicam por que os cientistas ainda não produziram uma representação simples da crise da biodiversidade, e menos ainda porque, ao contrário da mudança climática, que é um fenômeno global, está ocorrendo a crise geral da biodiversidade. traduzido por uma infinidade de eventos locais.
Além disso, a comunidade de pesquisadores em questão é fragmentada. Resta ver que o tema da biodiversidade a une mais fortemente do que as rivalidades a dividem. Ecologistas, taxonomistas, geneticistas, sociólogos, biólogos fundamentais formam tantas capelas que às vezes acham difícil trabalhar juntos.
Os cientistas esperam, no entanto, que a Conferência leve ao lançamento de um mecanismo que poderia ser comparável ao IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas). Este, que reúne centenas de pesquisadores, produz um conhecimento aprofundado sobre o problema do clima, mas também um resumo de fácil compreensão para os tomadores de decisão. Da mesma forma, para a biodiversidade, “devemos ser capazes de dizer claramente a governos, empresas e indivíduos quais são as consequências de suas ações”, resumiu um texto coletivo publicado na Science em 14 de janeiro.
Mas será preciso superar a relutância de muitos em criar uma nova estrutura ao lado da avaliação ecossistêmica do Milênio (que avalia ecossistemas), do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e, principalmente, da Convenção sobre Biodiversidade, assinada em 1992.
Esta Convenção está praticamente estagnada, devido à dificuldade de pactuar a distribuição dos potenciais benefícios derivados da exploração da biodiversidade. Além disso, a ausência dos Estados Unidos, que não o ratificou, o enfraquece muito. Em 2002, em Haia, os signatários da Convenção estabeleceram o objetivo de "reduzir significativamente o índice de perda de biodiversidade em 2010". A paralisação das discussões compromete o alcance desse objetivo. A reunião de 2004 da Convenção fez poucos progressos
Os cientistas estão, portanto, procurando uma saída para esse impasse e estimular políticas por meio da produção de diagnósticos claros. “Vamos testar cuidadosamente as hipóteses”, diz Laurence Tubiana (Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais), que coordenará o workshop “Governança da Biodiversidade”. “Esperamos que todos concordem em pensar e começar algo. "

Leia também:  Definição de econologia, economia ecológica

Fonte: o mundo

2) Biodiversidade: Chirac chama o planeta para salvá-lo, Libertação

Por Corinne Bensimon

Definido em 1992 no Rio, os objetivos de desacelerar o declínio da biodiversidade quase passaram despercebidos. Uma nova conferência é aberta hoje na Unesco.
Paris: ˇ 2.126.000 Homo sapiens, ou 20.200 por quilômetro quadrado, um dos territórios europeus mais colonizados pela humanidade ˇ será esta semana o farol da luta global contra a erosão da biodiversidade. Hoje, a capital francesa acolhe com grande pompa, na sede da Unesco, uma conferência internacional cujo título tem o mérito da concisão: “Biodiversidade: ciência e governação”. Seu desejo oficial, realizado por Jacques Chirac, é garantir que a ciência se traduza rapidamente em governança. A “ciência” será representada por várias centenas de pesquisadores, e os melhores: ecologistas (1), epidemiologistas, economistas, farmacologistas, agrônomos, antropólogos ... Quanto à “governança”, ela será personificada por muitos representantes do Estado e do ONG, e primeiro pelo presidente francês.

Diálogo. Foi ele quem lançou o projeto para tal encontro em junho de 2003 no G8 em Evian. Mais de dez anos se passaram desde a primeira cúpula ambiental, realizada no Rio em 1992, e a adoção da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). Em 2002, a segunda Cúpula da Terra terminou em Joanesburgo com um compromisso ainda mais preciso: desacelerar, até 2010, o ritmo de declínio da biodiversidade. Desacelerar, de certa forma, o declínio da natureza ... O objetivo parecia modesto. Permaneceu praticamente letra morta. O que falta para agir? Conhecimento ? Vontade política? Chirac estimou que uma grande conferência científica durante a qual pesquisadores traçariam "um estado de conhecimento, lacunas e controvérsias científicas" e que levasse a "estabelecer um diálogo entre cientistas, políticos e tomadores de decisão econômica" poderia acelerar o processo.
Na verdade, existem duas grandes incógnitas: o número de espécies que vivem atualmente (entre 5 e 100 milhões, segundo estimativas) e a capacidade de adaptação das que estão ameaçadas. Sabemos que alguns migram para locais mais hospitaleiros, que outros desenvolvem respostas específicas sem nem se mexer (as tritões avançam a data de postura sob o efeito do aquecimento ...), mas não sabemos com que rapidez essas adaptações são feitas. e como eles redistribuem os equilíbrios… Estima-se que “na França, as espécies terão que viajar 180 km ao norte e 150 m de altitude para responder a um aquecimento médio de um grau” (2). Mas quais espécies podem vencer essa corrida e sobreviver nesses novos habitats?

Emergência. Existem três pontos de consenso, que estão na base do sentimento de urgência de ecologistas e ecologistas: primeiro, a perda da diversidade biológica prejudica a saúde humana. Em segundo lugar, essa perda de diversidade segue um ritmo desconhecido desde os grandes períodos de extinção dos vivos, ocorrendo após a Segunda Guerra Mundial (Inglaterra e França perderam cerca de 15% de suas aves desde os anos 80). Terceiro, esse declínio é, pela primeira vez na história da vida, devido à pressão de uma única espécie, o homem, cujos números dobraram no espaço de meio século, enquanto que seu consumo de água, madeira, matéria orgânica fóssil, foi multiplicado por seis ...
O que fazer para desacelerar o declínio do caixa? Apoiar a pesquisa pública em ecologia - um assunto atual, na França, onde pesquisadores choram miséria. Invente estratégias de ação, in situ. Avalie as ações em andamento, como as que consistem na criação de unidades de conservação. A "conservação" deve ter como objetivo manter, em um local, um "potencial de evolução" das espécies, explica Jacques Weber, diretor do Instituto Francês de Biodiversidade, lembrando que, ao contrário da crença popular, " um ecossistema nunca está em equilíbrio, mas em desequilíbrio permanente que é a chave da sua evolução ”. Outra ideia, mais heterodoxa, será debatida na Unesco: economistas propõem integrar a proteção da biodiversidade à economia de mercado, considerando a natureza como fonte de bens e serviços, cujo valor aumenta conforme escassez. Natureza, um novo mercado?

Leia também:  A questão do vazio

(1) Cientistas especialistas em ecossistemas.
(2) Em biodiversidade e mudanças globais,
ed. ADPFE, Ministério das Relações Exteriores.

Fonte: lançamento

3) Uma pequena lição de ecologia: o ponto de vista de um pesquisador, Le Figaro

Jean-Louis Martin, pesquisador do Centro de Ecologia Funcional e Evolutiva (CNRS / Montpellier).

* O impacto do homem na biodiversidade é antigo. Enquanto na África os humanos e a vida selvagem evoluíram juntos, a expansão dos caçadores paleolíticos fora do berço africano resultou na extinção de muitos mamíferos de grande porte que permaneceram ingênuos para esse predador. Os marsupiais gigantes desapareceram da Austrália há cerca de 50 anos, os mamutes e o rinoceronte lanudo da Eurásia há 000 anos. Um mundo inteiro de colossos, incluindo elefantes, bisões com chifres grandes e felinos caninos, desapareceram da América do Norte há cerca de 10 anos.
* O homem também é vetor da biodiversidade. Quando se tornou fazendeiro no período Neolítico, ele abriu a floresta para suas plantações ou pastagens, ele construiu, queimou. Ele gradualmente criou mosaicos de paisagens e habitats artificiais. Assim, permite que um maior número de espécies coexistam em uma região. No sul da França, pássaros como toutinegras e trigo dependem dessa abertura da paisagem. É o caso também do bocage do oeste do país.
* O homem compartilhou esse papel de construtor de ecossistemas com outras espécies. O castor constrói represas com materiais retirados de seu ambiente e cria corpos d'água que abrigam uma fauna diversificada. À medida que os corais se desenvolvem, eles dão origem, em escalas continentais, a arquiteturas subaquáticas e a uma profusão de vida sem paralelo. Como essas espécies, os humanos há muito tempo são o que os ecologistas chamam de “engenheiros de ecossistema”.
* Com a revolução industrial, o homem começa a modificar a biosfera. A máquina substitui o músculo. O êxodo rural leva ao abandono de terras e ao fechamento de comunidades ou à intensificação da agricultura. A combustão de combustíveis fósseis muda o clima. As espécies ligadas à agricultura extensiva estão em declínio. Como pássaros como a abetarda ou o codornizão, eles constituem a maioria das espécies ameaçadas de extinção na França. A população humana cresce de um bilhão para mais de seis e usa uma parte cada vez maior da torta de energia que o sol distribui para a Terra a cada ano. A parcela que resta para outras espécies está diminuindo.
* As alterações não se limitam à perda de dinheiro. Todos os vertebrados que somavam dezenas de milhões apenas 150 anos atrás viram seu número derreter como neve ao sol. A sobrevivência dessas espécies não está em jogo, mas sua função nos ecossistemas está. Embora mais de 70 milhões de bisões fossem necessários para moldar a grande pradaria americana, sua ausência põe em risco o futuro dos lotes poupados pelo arado. Da mesma forma, os milhões de salmões que surgiram e morreram todos os anos em nossos rios os fertilizaram com recursos do oceano. Eles também alimentaram a economia das populações vizinhas. Hoje, os pesquisadores estão se perguntando sobre as consequências de sua ausência.
* A biodiversidade está em toda partemesmo na cidade. O pombo da floresta, a raposa ou o veado tornam-se moradores da cidade ou colonizam subúrbios e plantações. Eles nos lembram que a vida selvagem pode encontrar um lugar em ambientes altamente modificados pelo homem. Para outras espécies, como o pardal, o pássaro selvagem mais intimamente ligado aos humanos, os pesquisadores observam uma regressão que levanta questões sobre a qualidade de nosso ambiente urbano. Em toda parte, é uma questão de entender o que permite à vida comum manter ou reconquistar um lugar, inclusive em nossas cidades.

Leia também:  Artigo sobre econologia em Referências, revista econômica

Fonte: Figaro

4) Biodiversidade: uma contra-cúpula de ONGs para denunciar a hipocrisia de Paris, Le Monde

O Greenpeace e a Friends of the Earth estão organizando debates paralelos na Cúpula de Paris. “Tememos que mais uma vez os discursos sigam os discursos”, explicam as duas ONGs, que querem apontar o dedo às responsabilidades da França em termos de biodiversidade. No final das conferências, apresentarão ao governo um conjunto de “reflexões e recomendações”.

Organizações ambientais estão organizando uma contra-cúpula à margem da conferência de Paris sobre a biodiversidade para denunciar as “contradições” da França e pedir que ela tome medidas.

O Greenpeace e os Amigos da Terra decidiram participar de forma paralela dessa grande massa desejada por Jacques Chirac para "tentar convencer os líderes políticos da urgência de agir".

“Tememos que mais uma vez os discursos sigam os discursos”, explicam as duas ONGs em comunicado conjunto.

A Bird Protection League (LPO) é tão crítica e desconfiada da atitude da França para proteger a biodiversidade em seu território.

FRANÇA, “BOM ÚLTIMO” PAÍS

“Presa por Bruxelas há uma semana por sua má vontade com a proteção da natureza, a França deve aproveitar a oportunidade que lhe é oferecida (...) para se posicionar de forma menos contraditória”, escreve seu presidente, Allain Bougrain -Dubourg, em um comunicado de imprensa.

“Hoje é preciso agir com urgência. O nosso país é o último da Europa na preservação da biodiversidade ”, acrescenta.

A LPO acredita que a árvore do "plano urso" recentemente anunciado pelo ministro do Meio Ambiente dos Pirenéus "não deve esconder a floresta de decisões inconsistentes em termos de biodiversidade".

A Associação para a Proteção de Animais Selvagens (Aspas) também denuncia a “política irresponsável e calamitosa” da França sobre o meio ambiente.

“A França está falando sobre biodiversidade enquanto despreza seriamente a sua própria”, disse ela.

A France Nature Environnement, por sua vez, afirma que “a biodiversidade requer uma estratégia ambiciosa e urgente” e sublinha “o fosso entre as declarações e as realidades no terreno”.

O Greenpeace e os Amigos da Terra não querem que as responsabilidades de Paris, um dos países com maior biodiversidade do Norte, sejam evitadas na conferência organizada para contribuir com o trabalho da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). .

“Desde a sua assinatura em 1992, ficou claro que a Convenção sobre Diversidade Biológica não permitiu travar a erosão da biodiversidade global”, escrevem as duas associações.

ENTRE "BONITOS DISCURSOS" E "SAQUE" DE FLORESTAS

Eles tomam como exemplo a degradação das florestas tropicais.

“A cada seis horas, uma área de floresta equivalente a Paris, cidade-sede deste novo cume, desaparece, levando à extinção de muitas espécies vegetais e animais, às vezes desconhecidas”, dizem.

Diante da extensão do desmatamento, pesquisadores e associações fazem soar regularmente o alarme.

Para o Greenpeace e a Amigos da Terra, existem soluções para ajudar a preservar as florestas tropicais, “mas falta vontade política de agir”.

“Assim que se trata de salvar as florestas tropicais, nossa política se esquizofrênica: na França fazemos belos discursos e na África incentivamos as empresas francesas a saquear as florestas”, indignou-se Sylvain Angerand, responsável pela campanha. Florestas tropicais para Amigos da Terra.

Illanga Itoua, responsável pela campanha das Florestas Africanas para o Greenpeace França, sublinha que “Estados minados pela corrupção ou que mal saem de conflitos escolhem principalmente o caminho do lucro a curto prazo e não redistribuído à nação”.

“Nas florestas, opacidade, falta de governo e impunidade reinam. Os povos e florestas da Bacia do Congo estão sofrendo as consequências mais dramáticas. Mas é toda a humanidade que está preocupada com o saque de seu patrimônio ”, continua.

Enfrentar o governo francês com suas responsabilidades e apresentá-lo com “reflexões e recomendações” às vésperas da Cúpula de Brazzaville sobre as florestas da Bacia do Congo, nos dias 4 e 5 de fevereiro, da qual participarão Jacques Chirac, Les Amis de la Terre e Greenpeace organizar uma semana de debates paralelos.

As organizações também planejaram ações, como a encenação interativa, na rua, do julgamento público de extração de madeira, no 1º arrondissement de Paris.

Com a Reuters e Le Monde

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *