ITER: Muito barulho por nada?

Por Claude Allègre

A instalação em Cadarache do reator de fusão nuclear seria uma má notícia para nossa pesquisa

O presidente nos anunciou com orgulho que a França iria vencer o Japão e obter o local do reator experimental do futuro, que seria instalado em Cadarache (Bouches-du-Rhône). E que todos se alegrem, principalmente na Provença, onde políticos, orgulhosos, ignorantes e ingênuos, estão convencidos de que o Iter (International Thermonuclear Experimental Reactor) lhes trará riqueza, prosperidade e prestígio!

Infelizmente, nada disso vai acontecer: o Iter vai sangrar as comunidades locais e enfraquecer ainda mais o orçamento de pesquisa da França. Custo da operação: 12 bilhões de euros! O Iter continua a ser um daqueles projectos de prestígio que, no passado, esgotaram os fundos da nossa investigação. Primeiro foi a televisão de alta definição, depois a construção do grande acelerador nacional de íons pesados ​​(Ganil) em Caen, depois os voos espaciais humanos e, finalmente, a Estação Espacial Internacional. Resultados para a ciência? Nada ou quase nada. Hoje é o laser Mégajoule, em Bordéus, e o Iter, em Cadarache.

Leia também:  Documentário: ondas magnéticas, telefones celulares, todas as cobaias?

Dizem-nos: Iter é a energia do Sol, é extraordinário, é o futuro! É o que já se dizia há quarenta anos, quando teve início o projeto de estudo da fusão controlada. A ideia inicial certamente não é desinteressante. Em vez de dividir núcleos atômicos pesados ​​para obter energia, como nos reatores atuais, buscamos fundir núcleos atômicos leves para obter ainda mais energia. Essa é a seqüência seguida na fabricação das bombas atômicas. Após a clássica bomba de Hiroshima, fizemos a bomba H, mais poderosa, mais mortal, mas menos poluente (sic). No entanto, se sabemos fazer a fusão de forma explosiva, não sabemos como controlá-la. E, por quarenta anos, temos andado em círculos. Projetos como o Iter, montamos em Princeton, nos Estados Unidos, depois na Grã-Bretanha, mas nunca avançamos muito, por falta de uma ideia científica inovadora. Os americanos, uma vez que os motores dessa busca - eles financiaram em 60% - a abandonaram. Talvez eles participem de até 5% amanhã? Mas eles desistiram da ideia de dominar a fusão? De forma alguma, mas eles recorrem a métodos mais inteligentes e baratos.

Leia também:  O mundo: Syriana, no labirinto das guerras do petróleo

Leia mais

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *