Uma multinacional quer mover uma geleira

Compartilhe esse artigo com seus amigos:

O projeto Pascua Lama é muito real! Uma multinacional quer mover uma geleira para extinguir sua sede de ouro!

Em um momento em que a água está começando a se tornar um problema sério em nosso planeta, a empresa de ouro propõe, nem mais nem menos, que mover uma geleira para poder explorar em paz a mina de ouro que está por baixo. E isso, apesar das dezenas de milhares de chilenos que vivem, em grande parte, graças à água fornecida pela geleira.

Claro, Barrick Gold Corp cuidou de cercar-se de "especialistas" da questão.

Por isso, propõe uma alternativa aceitável "ambiental". De fato, a fim de não desperdiçar uma quantidade inestimável de água, é esperado cortar grandes partes da geleira, depois movê-las para perto de outra geleira na qual os blocos devem derreter.

Além disso, será uma tarefa simples desviar as populações que abastecem o rio a jusante e instalar uma estação de tratamento de água, apenas para continuar a regar as pessoas nativas com água "não poluída".



Se as medidas previstas parecem honráveis ​​no papel, estas soluções não são de todo o gosto de alguns especialistas que acreditam que não é possível prever o comportamento de um glaciar após intervenção humana.
Ninguém pode dizer que o gelo deslocado continuará alimentando as águas subterrâneas, nem a forma como a geleira "amputada" reagirá. Além disso, planejando limpar (para fins de consumo) um rio que é conscienciosamente contaminado por várias substâncias tóxicas (especialmente arsênico e metais pesados) pode estar em alto risco em caso de qualquer mau funcionamento.

Se este projeto deve fornecer seus primeiros nuggets em 2009, as licenças chilena e argentina (a mina está localizada na fronteira) já emitiram os acordos operacionais, o site será iniciado a partir do primeiro trimestre 2006. Além disso, não é de surpreender que várias organizações ambientais desejem chamar a atenção do mundo para esse potencial desastre ecológico.

Fontes: lançamento et HoaxBuster

comentários do Facebook

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *