EDF pode rejeitar águas mais quentes durante três usinas térmicas.

O Ministro da Ecologia, Nelly Olin, autorizou a EDF a descarregar a água mais quente das suas centrais térmicas nos rios com os quais fazem fronteira com 3 locais e recusou-o para 3 outros locais.

Face à onda de calor, a EDF solicitou autorização por isenção para efectuar estas descargas em 6 centrais térmicas de produção de electricidade, em Blénod (Meurthe-et-Moselle), La Maxe (Moselle), Porcheville (Yvelines) , Aramon (Gard), Richemont (Moselle) e Cordemais (Loire-Atlantique).

Como medida preventiva, o ministro autorizou os prefeitos a tirar isenções para as usinas de Aramon, Cordemais e Richemont, destacando que essas descargas de água quente só deveriam ser feitas "em caso de absoluta necessidade para manter a segurança da rede de distribuição de energia elétrica ”.

Nelly Olin afastou por enquanto qualquer possibilidade de isenção para as outras 3 usinas, tendo em vista que a operação destas últimas não era essencial para a continuidade do fornecimento aos usuários.

Devido à onda de calor, a temperatura da água dos rios atingiu níveis muito elevados e próximos aos limites regulatórios para a temperatura de descarga de água das usinas de produção de eletricidade.

Leia também:  Agrocombustíveis ou de biocombustíveis? definição proposta para distinguir

A EDF obteve esta autorização para suas usinas nucleares no domingo e então iniciou um processo equivalente para suas usinas termelétricas. Para usinas nucleares, é necessária a aprovação do governo diretamente, mas para termelétricas a autorização é dada por decreto da prefeitura. Os prefeitos concedem, ou não, essas autorizações após consulta às autoridades competentes, no caso o Ministério da Ecologia que tem autoridade em questões ambientais, disse o ministério.

No domingo, um decreto publicado no Jornal Oficial autorizou as usinas nucleares que descarregam água nas bacias dos rios Garonne, Ródano, Sena, Mosa e Mosela, a descarregar água mais quente do que o regulamento não permite isso.

Usinas nucleares e ondas de calor, um risco?

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *