Primeira medição direta da temperatura de uma bolha de cavitação

A sonoluminescência - fenômeno pelo qual bolhas de ar capturadas em um líquido emitem um flash de luz sob a ação de ondas acústicas - é descrita há muito tempo pelos cientistas. Mas seus mecanismos ainda são mal compreendidos.

David Flannigan e Kenneth Suslick, da Universidade de Illinois em Urbana Champaign, deram mais um passo na compreensão do processo ao criar com sucesso uma única bolha de argônio em uma solução de ácido sulfúrico. Sob a ação de ondas sonoras de frequências superiores a 18000 ciclos por segundo, a bolha primeiro se expandiu antes de atingir seus limites e então rapidamente entrou em colapso. É nesta última etapa que observamos a emissão de luz. Graças ao seu trabalho, os dois pesquisadores conseguiram obter um espectro 3000 vezes mais brilhante do que os experimentos anteriores. Isso permitiu que fizessem uma análise mais detalhada do evento. De acordo com suas medições, a temperatura local atingiu 15000 Kelvin, que é várias vezes a temperatura na superfície do Sol. O mais notável, entretanto, foi a detecção de átomos de argônio e oxigênio ionizados com alta energia durante o experimento.

Leia também:  O impacto das chuvas afetaria as placas tectônicas

Resultado que as tradicionais reações químicas e térmicas não são suficientes para explicar e que os autores da pesquisa atribuem, portanto, à colisão de átomos com elétrons e íons de altíssima energia na forma de plasma muito quente formado no núcleo do bolha. Se esses dados fossem confirmados, eles constituiriam a primeira detecção direta de um plasma associado à sonoluminescência.

NYT 15 / 03 / 04 (pequenas bolhas implodem com
o calor de uma estrela) http://www.nytimes.com/2005/03/15/science/15soni.html

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *