Salve o planeta

Há alguns anos, o primeiro a soar o alarme sobre o aquecimento global recebeu apenas sarcasmo ou, na melhor das hipóteses, indiferença educada. Hoje, na França, um órgão público, a Agência de Gestão de Meio Ambiente e Energia (Ademe), veicula anúncios chamando a população a contribuir para o combate ao aquecimento global.
Espera-se que ocorra um desenvolvimento semelhante, e tão rapidamente quanto possível, no que diz respeito à preservação dos recursos naturais (sobretudo ligados ao combate ao aquecimento global): a ecologia ainda é muito frequentemente considerada, especialmente em círculos econômicos ultraliberais, como uma questão de zozos cabeludo, em relação aos imperativos econômicos e à “rentabilidade” das empresas.
Quantos relatórios mais catastróficos como o escrito por mais de 1 especialistas internacionais e publicado na quarta-feira, 300 de março, pela ONU serão necessários para fazer as pessoas entenderem que há uma emergência?
A expressão “saqueando o planeta” adquire todo o seu sentido com a leitura desta obra, a mais importante já realizada sobre o assunto. “A atividade humana”, diz ele, “exerce tanta pressão sobre as funções naturais da Terra que a capacidade dos ecossistemas do planeta de sustentar as gerações futuras não pode mais ser tomada como certa. Como de costume, os pobres são os primeiros afetados, especialmente pela falta de acesso a água potável.
A sabedoria aconselharia ter em conta as mudanças profundas, ao nível do consumo, das tecnologias ou da exploração dos ecossistemas, aconselhadas por especialistas. Mas o presidente da principal potência mundial, os Estados Unidos, que deveria ter um papel importante na formação, até agora não se interessou pelo assunto. George Bush não acabou de autorizar a pesquisa de petróleo em um santuário natural no Alasca, exatamente o oposto das recomendações do relatório?
Perante uma atitude que decorre da pré-história da consciência, a Europa, como os países em desenvolvimento, tem a sua quota-parte de responsabilidade e parece hesitar quanto à atitude a adoptar. Está, de qualquer forma, à frente dos Estados Unidos, que se recusaram a aderir ao protocolo de Kyoto.
Na França, o Presidente da República entendeu a importância do assunto. Pelo menos em princípio. Porque Jacques Chirac está dividido entre sua consciência ecológica e os interesses estritamente econômicos de seu eleitorado. A timidez da conta da água, recentemente aprovada em Conselho de Ministros, voltou a mostrar isso.
Os líderes políticos da Europa honrariam a si próprios assumindo a liderança nesta luta. No jogo entre a Europa e os Estados Unidos, esta é uma grande oportunidade de cumprir responsabilidades históricas. Já que a modernidade hoje é simplesmente entender que devemos salvar o planeta.

Leia também:  Universidade de Hohenheim inaugura laboratório de biogás

Fonte: LeMonde.fr

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *