Bruxelas: o reino dos lobbies

D'après Novethic.

Entre 12 e 000. Este é o número de lobistas profissionais em Bruxelas. De acordo com o European Business Observatory, 20% deles trabalham para empresas, contra apenas 000% para governos nacionais. O lobby empresarial é realizado por quatro tipos de estruturas: representações específicas de cada empresa, associações empresariais, federações setoriais e, finalmente, empresas de lobby independentes. No total, nada menos que 60 grupos de interesse industrial europeus estão presentes em Bruxelas e cerca de 30 multinacionais. “Somos reconhecidos como órgãos oficiais e, tanto quanto sei, nenhum tenta esconder a sua actividade”, comenta Marc Devisscher, porta-voz do CEFIC (Conselho Europeu das Federações da Indústria Química), a mais importante federação da empresas presentes em Bruxelas (ver entrevista).

Na verdade, desde a entrada em vigor do Acto Único em 1987, os lobbies foram totalmente integrados na paisagem de Bruxelas. O seu objectivo: influenciar as instituições europeias - em primeiro lugar a Comissão e o Parlamento - para que a legislação comunitária sirva ou, pelo menos, não sirva os seus interesses. “Acompanhamos o trabalho da Comissão, em particular a preparação de directivas, e damos a nossa opinião sobre os textos, relata Carsten Dannöhl, da Unice, a união europeia dos empregadores. A nossa abordagem é legítima. Para escrever bons textos, os eurodeputados precisam do conselho de todas as partes interessadas e frequentemente procuram aconselhamento. "

Leia também:  Lucros do petróleo

Alterar orientações

A atividade dos lobbies divide-se em duas partes principais: acompanhamento e assessoria. A primeira exige que o lobista se mantenha informado sobre os projetos de diretrizes atuais e busque informações relevantes sobre assuntos de interesse de seu grupo de interesse. O segundo consiste em reunir funcionários, deputados e, em geral, políticos europeus para lhes dar a opinião do lobby sobre um determinado texto e, se necessário, sugerir modificações. “Não é incomum que grupos de pressão até apresentem diretamente as emendas que querem que façamos”, sopra um deputado.

Para atingir seus objetivos, os lobistas dividem tarefas de acordo com suas habilidades. Geralmente, é feita uma distinção entre especialistas e consultores. Os primeiros possuem conhecimentos técnicos e procuram participar, o mais cedo possível, no desenvolvimento das directivas europeias, nomeadamente aquando da elaboração do “Livro Verde” e do “Livro Branco” (textos preparatórios das directivas). Os seus principais contactos são funcionários da Comissão. Os segundos são lobistas no sentido primário do termo. O seu principal trunfo é o seu livro de endereços e o seu conhecimento perfeito do funcionamento das instituições europeias. Por um lado, ajudam os especialistas a entrar em contacto com os principais personagens na preparação das directivas. Por outro lado, quando os textos passam pelo Parlamento, abordam os políticos mais influentes para os convencer a ter mais em conta os interesses do seu grupo de pressão.

Leia também:  Nouveau forum

Com toda transparência?

Enquanto os grupos de pressão se gabam de serem transparentes, alguns políticos e ONGs refutam esse argumento. O European Business Observatory, uma ONG holandesa criada em 1997 para monitorar o lobby das multinacionais, garante, pelo contrário, que é muito difícil saber em que medida a Comissão é influenciada e lamenta que a União Europeia não tenha criado regulamentos semelhantes aos dos Estados Unidos que obrigam as multinacionais a publicar informações sobre suas atividades de lobby. “Mas de qualquer forma, do ponto de vista democrático, o sistema de lobbies não nos parece uma boa solução, nota Erik Wesselius do Observatório Europeu das empresas. No 'lobbycracy', vale a pena ter influência e isso fortalece o lado burocrático da Europa. Seria melhor se as questões europeias tivessem mais lugar no debate público. "

Outro argumento dos anti-lobbies: a falta de freios e contrapesos. Diante das empresas, ONGs, sindicatos e associações humanitárias de fato dispõem de poucos recursos. De acordo com o European Business Observatory, apenas 10% dos lobistas trabalham para ONGs desta forma. Por exemplo, existem apenas algumas centenas em organizações de proteção ambiental. “Esse desequilíbrio é um problema, sublinha Paul Lannoye, vice-ecologista europeu, porque as empresas sempre financiam quantidades de estudos para justificar seu ponto de vista e as ONGs não podem fazer o mesmo. "

Leia também:  Jacques Chirac quer um imposto sobre passagens aéreas em 2006

Laurent Fargues
Publicado: 23 / 08 / 2004. fonte

mais: grupos de pressão no transporte

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *