Biocombustíveis: Milho no motor

Quatro produtores de etanol (VeraSun, Glacial Lakes Energy, KAAPA Ethanol e Golden Grain Energy) e a empresa de tecnologia Ethanol Oil Recovery Systems firmaram uma parceria que pode abrir novos mercados para o setor de etanol.

O projeto colaborativo, denominado SunSource BioEnergy, já permitiu testar, ao que parece, com sucesso um novo processo de extração do óleo de milho de qualidade boa para ser utilizado como biocombustível.

O dispositivo desenvolvido é mecânico e pode ser facilmente instalado, segundo seus projetistas, nas usinas de produção de etanol pelo chamado processo de moagem a seco. Até agora, a única forma de retirar o óleo do gérmen do milho era por meio de tratamento químico - o produto obtido, destinado à ração animal, não era aproveitável como biocombustível.

A SunSource BioEnergy também planeja construir uma usina de biodiesel com custo de US $ 40 milhões e capacidade de 189 milhões de litros, que purificará o óleo de milho e o converterá em biocombustível. Essa iniciativa deve, portanto, oferecer tanto uma fonte adicional de abastecimento para a indústria de biodiesel (hoje em grande parte dependente da soja) quanto diversificação, uma garantia de novas receitas, para as empresas americanas de etanol que operam 85 usinas na produção de 14,4 bilhões de litros por ano (outras 15 unidades estão em construção).

Leia também:  O mercado de direitos de emissão CO2 na Europa e o Fundo Europeu de Carbono

Fonte: France-ciência, 17 / 07 / 2005 para 17h15

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *