Logotipo DPE

Otimizando o desempenho energético da sua casa antes de vendê-la

Oferecer sua propriedade no mercado imobiliário é uma ação que deve sempre dar origem a alguns menus ou grandes travaux. Esta é uma necessidade, pois os compradores estarão mais inclinados a comprar uma casa em boas condições e com um desempenho energético atraente.

A questão é quais empregos são os mais relevantes para vender bem e com rapidez. Numa altura em que todos são encorajados a agir a favor de um ambiente menos poluído, é normal que o desempenho do imóvel seja cada vez mais determinante na decisão de compra. Aqui estão todos os bons motivos para otimizar desempenho energético de sua casa antes de vendê-lo.

Casas verdes são populares

Diante das consequências da poluição e do aquecimento global sobre a vida humana, o movimento por um planeta mais limpo está ganhando força entre os indivíduos.

Um diagnóstico imobiliário positivo, para uma venda otimizada

Algumas residências consomem energia e, portanto, poluem, além de serem caras de manter. Os compradores que estão mais inclinados a gastar menos e poluir menos, preferem recorrer a habitação com padrões de desempenho energético.

Leia também:  Legnobloc, bloco de cinza de madeira com isolamento BBC

Todos os setores, incluindo o imobiliário, são afetados por esta consciência, e os diferentes diagnósticos imobiliários obrigatórios para alugar ou vender incluem diagnósticos para detectar filtros térmicos. Será então o DPE, o diagnóstico de desempenho energético. É realizado por um diagnosticador credenciado e é válido por um período de 10 anos. Assim, se o seu último diagnóstico imobiliário for mais antigo, é aconselhável refazer um. Se se enquadra no quadro de 10 anos, mas já realizou trabalhos de optimização energética na sua casa, será preferível refazer um DPE, de forma a apresentar dados mais positivos e gratificantes aos seus potenciais compradores.

De notar que o DPE tem como objectivo informar o futuro proprietário do consumo de energia do imóvel que pretende adquirir em vários pontos: o aquecimento, o sistema de refrigeração e a produção de água quente sanitária. É, portanto, a este nível que terá de considerar os trabalhos de renovação energética!

Leia também:  Aquecimento central com madeira, aglomerados de madeira que ele sabe?

O desempenho energético é um ganho real à venda

Diante da obrigação de veicular a classe energética de sua casa nos anúncios imobiliários, os vendedores não podem mais lançar dúvidas sobre essa informação aos potenciais compradores. Isso teve um forte impacto no mercado imobiliário, uma vez que a nota exibida no Diagnóstico de desempenho energético agora afeta o preço pelo qual o imóvel é oferecido.

Observe que as casas classificadas como A e B são 5 a 11% mais caras do que as classificadas como D. Assim que uma casa é classificada como F ou G, seu desconto no preço de venda pode ser entre 6 e 19% por em comparação com as casas classificadas D.

Quanto mais próxima a classificação do imóvel de A, mais os vendedores podem cobrar um bom preço e vender entre 14 e 27% a mais do que uma casa classificada D. O argumento da venda pode então ser estruturado em torno o conforto da casa, a economia que os habitantes poderão obter nas contas de energia e, em particular, o custo incorrido pelo vendedor no contexto do recente renovação de energia.

Leia também:  Créditos tributários para o domicílio: formalidades, valores e condições

A possibilidade de ser ajudado durante os trabalhos

O preço da reforma de bens de energia pode atingir picos dependendo das necessidades de habitação. No entanto, tal não deverá constituir obstáculo à execução das obras, uma vez que algumas delas são objeto de auxílios estatais.

Ao se beneficiar dessas doações, será possível renovar sua casa a um custo menor. Dependendo da natureza do trabalho, esse auxílio pode resultar em Redução de 5,5% do IVA, tem Empréstimo com juros zero, ou um assistência financeira da ANAH.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *