O mundo depois do Coronavirus: o que mudará e não?

O governo anunciou: a vida dos franceses após o Coronavirus 2019 não será exatamente a mesma de antes. Em um momento em que diferentes cenários estão sendo traçados, o que realmente mudará? E o que não vai mudar? Elementos de respostas ...

Saúde

Em primeiro lugar, a saúde, a crise induzida pela pandemia global Covid-19 já causou a morte de quase 30 pessoas na França. Mas, apesar de uma desaceleração recente na circulação do vírus e do desconfinamento gradual em vigor desde 00 de maio, a saúde dos franceses continua ameaçada. Nada foi ganho ainda porque esse vírus costuma trazer sua cota de surpresas desagradáveis.

Sem precedentes, a atual crise de saúde pesa fortemente sobre um sistema de saúde já enfraquecido. Assim, promete-se para a Segurança Social um défice recorde de mais de 41 mil milhões de euros, “nunca antes visto”, segundo o ministro das Contas Públicas, Gérald Darmanin. Já com déficit de 1,9 bilhão de euros no final de 2019, a Previdência Social deve de fato enfrentar não apenas 8 bilhões em novas despesas (paralisações no trabalho, prêmios de cuidadores, etc.), mas também 31 bilhões em receitas em menos (contribuições, CSG, IVA, etc.).

O suficiente para levantar questões, se não ansiedades, em todo o sistema de saúde francês no mundo depois, especialmente sobre fundos mútuos. A nova teleconsulta médica é reembolsada? O custo das taxas de associação aumentará? Os testes de rastreamento de coronavírus serão cobertos? Tantas perguntas que é legítimo se perguntar para possivelmente considerar a mudança de contrato mútuo para um mais vantajoso.

Leia também:  Guiana e garimpeiros: a lei da selva, os artigos

Principalmente porque uma nova medida visa simplificar o processo de rescisão do contrato de seguro mútuo de saúde a partir de 1º de dezembro de 2020, o mais tardar. Se até agora a renovação anual do contrato era tácita, esta nova medida prevê a sua rescisão a qualquer tempo, sem justa causa e sem encargos, após um ano da contratação. O momento, portanto, parece oportuno para comparar as ofertas de seguro saúde mútuo em um site como Comparador de seguros a fim de ser protegido da melhor forma possível no próximo mundo.

La questão econômica e social

Além da crise da saúde, há uma grande crise econômica, que afeta ou afetará o mundo inteiro em quase todos os setores da atividade humana.

Durante o confinamento, 10,2 milhões de funcionários do setor privado ficaram desempregados parcialmente na França, alguns ainda após 1 mês de desconfinamento. São 6 em cada 10 empresas (820 mil) que foram paralisadas, destaca a ministra do Trabalho, Muriel Pénicaud. Alguns setores empresariais são até afetados como um todo, como hotel e catering, que exibe uma taxa de desemprego parcial de 90%, ou a indústria da construção, até 93%, ou mais de um milhão de funcionários em causa.

Uma situação chamada para durar além do desconfinamento. Porque a atividade só pode ser retomada gradualmente e um crise de confiança vai durar muitos mais meses ...

Leia também:  Escolha um banco que respeite mais o meio ambiente

De uma forma geral, são incentivadas várias medidas para garantir a segurança sanitária nas empresas e estabelecimentos autorizados a retomar a sua atividade, nomeadamente a continuação do teletrabalho, o rodízio de equipas ou a generalização da movimentação.

La questão da ecologia

Diante desse confinamento de quase metade da população mundial e, portanto, da redução massiva do transporte e do fechamento de grande parte das indústrias, oàs vezes é descrito como o grande vencedor da pandemia de Covid-19.

Imagens idílicas de retorno de animais às cidades, de clareamento de cursos d'água ou mesmo de redução da poluição atmosférica estão circulando nas redes sociais e oferecem um oásis de boas-vindas em meio a um fluxo de água. notícias que provocam ansiedade.

No entanto, se nos regozijarmos com esta queda da poluição, da ordem de - 40% a - 50% na Europa, temos de admitir que este parêntese será apenas de curto prazo. Com efeito, desde o início do desconfinamento, apesar da redução do transporte público no início e do grande incentivo ao teletrabalho, as necessidades ou hábitos de todos só podem ser retomados de forma idêntica ... ou, pior ainda, para compensar o atraso econômico, como isso foi visto na China.

Leia também:  Introdução à economia social e solidária (ESS)

E se pudermos imaginar ou imaginar um profunda mudança no estilo de vida dos franceses Em relação ao apetite por viagens ou consumo em geral, os especialistas ainda temem uma reação negativa. Clément Sénéchal, gerente de campanha do Greenpeace, teme um relaxamento dos padrões ecológicos. Sandrine Mathy, diretora de pesquisa do CNRS e economista ambiental e de energia, teme, por sua vez, uma recuperação econômica baseada em investimentos em petróleo e gás de xisto nos Estados Unidos, em carvão na China, ou no desmatamento no Brasil em benefício de grandes fazendas.

Mas a atual crise plural terá o mérito dedespertar as consciências. Do ponto de vista sanitário, econômico e ecológico, todas as partes interessadas concordam com a necessidade de repensar nossa sociedade. Programa de investimento massivo, revisão de nossos sistemas agrícolas, cultivo local, cadeias de abastecimento curtas, redistribuição do valor agregado aos produtores, novos indicadores de desenvolvimento, como capital natural, etc. : tantos caminhos para construir o mundo depois do Coronavirus.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *